Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Coisinhas da Prostituição...

Agora temos página no Facebook.

Sejam nossos fãs facilmente.

Acedam ao link fb.com/prostituicao.pt.

Autoria e outros dados (tags, etc)

foto transferida do blog FilipeCeleti.com


A abordagem que vos trago por cá hoje ao tema do costume – a prostituição – será um pouco diferente daquelas que costumo ter por aqui.


Hoje vou, primeiro que tudo, pedir aos/às leitores/as do blog para fazerem gosto na nossa página oficial no Facebook pois isso é essencial para a luta que vimos travando através deste blog e, como sabem, é a legalização desta atividade.

Agora chega a hora de vos falar sobre a minha posição no mundo da prostituição – eu não sou mais do que, por vezes, um cliente. Nem todos os clientes são iguais, nem todos o são pelo mesmo motivo.

Também, nem todos os que se debatem pela legalização desta atividade o fazem pela mesma ordem de ideias.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Mais uma grande reportagem sobre a Prostituição no Brasil.

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Ultimamente tenho lido algumas coisas sobre "Swing", tal como é exemplo o último post que é um artigo republicado da revista Notícias Magazine. Quando olho para este tipo de vida, eu acredito que a maioria das pessoas que praticam esta atividade, sobretudo os homens, já tiveram um qualquer contacto anterior com o mundo da prostituição, mesmo que não durante essa atual relação.

 

Tal facto leva-me a olhar o Swing como uma outra forma de prostituição. Afinal a prostituição é uma das formas mais conhecidas e fáceis de se ter relações sexuais com pessoas desconhecidas. No caso do Swing, o que acontece é que te podes envolver sexualmente com outras pessos sem gastares dinheiro mas, em troca disso, permites que o teu/tua parceira também faça o mesmo. Isto quer dizer que estamos perante uma outra forma de se fazer sexo sem ser exclusivamente pelo próprio sexo ou por amor.

 

Acredito que este tipo de atividade sexual tem tudo para dar certo e ajudar casais a viverem melhor consigo mesmos mas, na verdade, um ato sexual com outra pessoa é sempre um ato sexual com outra pessoa, independentemente do contexto.

 

É por isso que eu sou muito mais a favor de um casamento aberto e que o ato sexual seja o complemento de uma relação e não o fim em si mesmo. Ter ciúmes por causa de sexo é algo que não cabe em mim. Eu teria muito mais ciúmes se, quando quisesse estar com a pessoa amada, esta inventasse uma desculpa para não estar comigo. Isso sim é grave e isso quer dizer que a relação não tem mais viabilidade. De resto, o sexo pode ser uma forma da pessoa estravazar alguns problemas do dia-a-dia ou de lidar de uma outra forma com o vazio provocado pela ausência da pessoa amada, vazio esse fruto do quotidiano cada vez mais agitado das pessoas enquanto pessoas que têm que trabalhar para proverem o sustento da família e, muitas vezes, também, para se sentir realizadas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Swing Nós & Eles

Trocas de casais e traição autorizada.

 

O número de praticantes de swing está a aumentar em Portugal, garantem os administradores de sites da especialidade e proprietários de bares onde decorrem encontros e festas temáticas. Um estudo recente da Universidade Portucalense vem agora concluir que estas «trocas de casais» de cariz sexual, ou «traições consentidas», são, afinal, salutares para o casamento: os casais swingers são mais felizes na relação, estão mais satisfeitos sexualmente e têm mais intimidade física e psicológica do que os casais com exclusividade afetiva. Mas continua a ser um comportamento difícil de entender para a maioria.

 

 

Adoro ver o meu marido com outra mulher», diz Catarina. «Dá-me prazer. Mas não gostaria de saber que ele andava a trocar mensagens com outra, porque já não saberia o que está a acontecer. Não tenho ciúmes do que vejo, tenho ciúmes do que não controlo.» O swing surgiu na vida deste casal há cerca de três anos, quando já contavam vinte de casamento. Na sequência de uma visita a uma feira erótica, começaram a falar do assunto. «Sempre fomos sexualmente muito ativos», diz o marido, Manuel. «O swing é um complemento. Elevou o nível da nossa relação porque exige confiança total.»

 

O swing deixou de ser uma prática secreta de um número restrito de casais como Catarina e Manuel, de 42 anos, em casas alugadas em locais recônditos. Existem 25 clubes ativos em Portugal e a maior comunidade virtual de swingers tem cerca de dez mil membros ativos e quase o dobro de candidatos em processo de validação. Embora continue a ser assumido por uma minoria face à monogamia dominante, o swing apresenta-se hoje como um universo cada vez mais vasto e heterogéneo, abrangendo uma leque diversificado de práticas, com códigos e regras próprios. Como expressão de uma conjugalidade liberal, hedonista, ainda envolta em sigilo, tem suscitado também interesse crescente por parte da investigação científica.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estamos a partilhar o mundo da prostituição masculina através duma excelente entrevista dada por "Alexandre Pires", nome que escolheu usar nesta profissão.

Alexandre fala sobre esquemas de prostituição que existem na Madeira onde até as autoridades policiais são coniventes pois acabam por serem monatariamente beneficiados.

Voltamos à discussão. Se existe, porque é que não se legaliza. O Estado sairia a ganhar e a economia paralela terminaria.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

O lado da prostituição como nunca o vimos. Um testemunho que pode mudar tudo. As prostitutas nem sempre são aquelas pessoas insensíveis. Há umas que são mas outras nem por isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

A diferença entre Brasil e Portugal está demonstrada neste vídeo. No Brasil são presos os líderes de organizações que enganam as mulheres e obrigam elas a se "prostituírem" sem preservativo.

Por cá, em Portugal, o que acontece é um coisa bem diferente. No nosso país prendem-se pessoas que permitem que pessoas que pretendem trabalhar, prostituindo-se, o façam com a maior higiene e proteção.

Mais uma vez, volto à carga com a ideia de que é preciso pensar a legalização desta atividade de forma a evitar o tráfico e permitir que se deixe de morrer à conta da "persuasão" para a prática de sexo sem preservativo.

 



Autoria e outros dados (tags, etc)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Para quem desconhece o que é ser uma Scort (Prostituta de Luxo) poderá ler este testemunho muito interessante da Sofia Aparício que, para mim, faz ressuscitar o tema «Legalização da Prostituição».

Todos os meses, poderiam entrar na nossa economia e nos cofres do Estado mais uns milhares de euros e, no que à Segurança Social diz respeito, poderia ser feito muito mais por estas mulheres para, se e quando quisessem optar por outra vida, tivessem um apoio social inicial para isso, bem como, se chegassem a uma altura em que se queriam reformar, o pudessem fazer sem problemas económicos.

 

Publicado por Prostituição em Linha

Autoria e outros dados (tags, etc)


Aos interessados...

Estamos no Facebook.

Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Links

  •